jusbrasil.com.br
5 de Dezembro de 2016
    Adicione tópicos

    TJ-DF - APELAÇÃO CÍVEL : AC 20050110672689 DF

    CIVIL - CONSUMIDOR - PESSOA JURÍDICA - DANO MORAL - REPETIÇÃO DE INDÉBITO - APELOS DE AMBAS AS PARTES - COBRANÇAS INDEVIDAS DE CONTAS DE TELEFONE E NEGATIVAÇÕES IRREGULARES NA SERASA - DANO MORAL PRESUMIDO - PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE TELEFONIA PARA CONSTRUTORA - UTILIZAÇÃO COMO DESTINATÁRIA FINAL - APLICABILIDADE DO CDC - REPETIÇÃO DO INDÉBITO EM DOBRO APENAS DOS VALORES PAGOS INDEVIDAMENTE - INTELIGÊNCIA DO ART. 42, PARÁGRAFO ÚNICO DO CDC - MAJORAÇÃO DOS DANOS MORAIS ARBITRADOS NA SENTENÇA - APELAÇÕES CONHECIDAS - APELO DA AUTORA PARCIALMENTE PROVIDO - RECURSO ADESIVO DA RÉ IMPROVIDO.

    Processo
    AC 20050110672689 DF
    Orgão Julgador
    2ª Turma Cível
    Publicação
    DJU 16/01/2007 Pág. : 89
    Julgamento
    30 de Agosto de 2006
    Relator
    BENITO TIEZZI
    Andamento do Processo

    Ementa

    CIVIL - CONSUMIDOR - PESSOA JURÍDICA - DANO MORAL - REPETIÇÃO DE INDÉBITO - APELOS DE AMBAS AS PARTES - COBRANÇAS INDEVIDAS DE CONTAS DE TELEFONE E NEGATIVAÇÕES IRREGULARES NA SERASA - DANO MORAL PRESUMIDO - PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE TELEFONIA PARA CONSTRUTORA - UTILIZAÇÃO COMO DESTINATÁRIA FINAL - APLICABILIDADE DO CDC - REPETIÇÃO DO INDÉBITO EM DOBRO APENAS DOS VALORES PAGOS INDEVIDAMENTE - INTELIGÊNCIA DO ART. 42, PARÁGRAFO ÚNICO DO CDC - MAJORAÇÃO DOS DANOS MORAIS ARBITRADOS NA SENTENÇA - APELAÇÕES CONHECIDAS - APELO DA AUTORA PARCIALMENTE PROVIDO - RECURSO ADESIVO DA RÉ IMPROVIDO.

    1. A RELAÇÃO JURÍDICA EXISTENTE ENTRE A OPERADORA DE TELEFONIA CELULAR, NA QUALIDADE DE FORNECEDORA DO SERVIÇO DE TELEFONIA MÓVEL (ART. DO CDC) E A CONSTRUTORA (ART. DO CDC), COMO CONSUMIDORA FINAL, É DE NATUREZA CONSUMERISTA, HAJA VISTA QUE ESTA ÚLTIMA NÃO EMPREGA ESTE SERVIÇO COMO INSUMO NA SUA CADEIA PRODUTIVA.

    2. O SIMPLES FATO DA EFETIVAÇÃO DE NEGATIVAÇÃO INDEVIDA EM CADASTROS DE INADIMPLENTES REPRESENTA E ENSEJA TRANSTORNOS E ABALO À CREDIBILIDADE DA EMPRESA CONSUMIDORA, CONSTITUINDO, ASSIM, CAUSA SUFICIENTE PARA A PROCEDÊNCIA DO PLEITO INDENIZATÓRIO POR DANOS MORAIS.

    3. SEGUNDO DISPÕE O ART. 42, PARÁGRAFO ÚNICO DO CDC, O CONSUMIDOR QUE PAGA VALORES CONSUBSTANCIADOS EM COBRANÇA INDEVIDA TEM DIREITO A RECEBER A DEVOLUÇÃO EM DOBRO DAQUILO QUE LIQUIDOU. TODAVIA, NÃO FAZ JUS A RECEBER QUALQUER QUANTIA SE, A DESPEITO DE IRREGULAR A COBRANÇA, NÃO EFETUOU O SEU PAGAMENTO.

    4. COMPORTA MAJORAÇÃO O VALOR ARBITRADO NA SENTENÇA PARA A INDENIZAÇÃO DEVIDA PELOS DANOS MORAIS, SE A QUANTIA FIXADA É INSUFICIENTE PARA MINORAR A EXTENSÃO DO ABALO EXPERIMENTADO NO NOME COMERCIAL DA EMPRESA AUTORA, BEM COMO A ATINGIR A FINALIDADE DE DESENCORAJAMENTO DE REPETIÇÕES DA CONDUTA ILÍCITA.

    5. RECURSOS CONHECIDOS. PARCIALMENTE PROVIDO O APELO DA AUTORA E IMPROVIDO O RECURSO ADESIVO DA RÉ

    Veja essa decisão na íntegra
    É gratuito. Basta se cadastrar.
    Disponível em: http://tj-df.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/2751511/apelacao-civel-ac-20050110672689-df

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)