jusbrasil.com.br
17 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: XXXXX-11.2020.8.07.0001 DF XXXXX-11.2020.8.07.0001

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

7ª Turma Cível

Publicação

Julgamento

Relator

GISLENE PINHEIRO

Documentos anexos

Inteiro TeorTJ-DF__07215391120208070001_4527b.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

PROCESSUAL CIVIL. APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE RESCISÃO CONTRATUAL. COMPRA E VENDA DE IMÓVEL. CDC. APLICABILIDADE. CONTRATO DE ADESÃO. CLÁUSULA COMPROMISSÓRIA DE CONVENÇÃO DE ARBITRAGEM. UTILIZAÇÃO COMPULSÓRIA. ABUSIVIDADE. CAUSA MADURA. INAPLICABILIDADE AO CASO. DETERMINAÇÃO DE RETORNO DOS AUTOS A ORIGEM. SENTENÇA CASSADA.

1. A relação jurídica estabelecida entre as partes, por intermédio de contrato de promessa de compra e venda de imóvel, resulta em uma relação de consumo. Tal premissa origina-se do fato de que tanto os compradores, que adquirem de forma onerosa a unidade imobiliária e tornam-se os destinatários finais do imóvel, como a construtora, que configura o polo de vendedora, enquadram-se, respectivamente, nos conceitos de consumidor e fornecedor previstos nos artigos e do Código de Defesa do Consumidor.
2. Nos termos do artigo , § 2º, da Lei nº 9.307/96, nos contratos de adesão, a cláusula compromissória só terá eficácia se o aderente tomar a iniciativa de instituir a arbitragem ou concordar, expressamente, com a sua instituição, desde que por escrito em documento anexo ou em negrito, com a assinatura ou visto especialmente para essa cláusula. 2.1 Não existindo manifestação expressa do autor quanto aceitação à convenção de arbitragem, conforme determina a Lei, a cláusula não possui eficácia, não devendo ser aplicado o Juízo Arbitral, nos termos do artigo , § 2º, da Lei nº 9.307/96 c/c o artigo , XXXV, da Constituição Federal.
3. Diante da aplicabilidade da Lei nº 8.078/90, conforme dispõe o artigo 51, inciso VII, são nulas, de pleno direito, as cláusulas contratuais relativas ao fornecimento de produtos e serviços que determinem a utilização compulsória de arbitragem, como se evidenciou na hipótese dos autos, devendo, portanto, ser afastada.
4. Deixa-se de aplicar a teoria da causa madura ao presente caso (art. 1.013, § 4º, do CPC), pois o deslinde da controvérsia depende de instrução processual, com regular dilação probatória.
5. Recurso de apelação conhecido e provido. Sentença cassada.

Acórdão

CONHECIDO. PROVIDO. UNANIME.
Disponível em: https://tj-df.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1190898366/7215391120208070001-df-0721539-1120208070001

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 4 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO INTERNO NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AgInt no AREsp XXXXX GO 2017/XXXXX-3

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: XXXXX-12.2020.8.07.0010 DF XXXXX-12.2020.8.07.0010

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: XXXXX-84.2021.8.07.0010 DF XXXXX-84.2021.8.07.0010

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: XXXXX-12.2017.8.07.0001 DF XXXXX-12.2017.8.07.0001

Georgios Alexandridis
Artigoshá 8 anos

Fixação da competência para a propositura de Ação de Consumo