jusbrasil.com.br
17 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: XXXXX-62.2020.8.07.0020 DF XXXXX-62.2020.8.07.0020

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

4ª Turma Cível

Publicação

Julgamento

Relator

ARNOLDO CAMANHO

Documentos anexos

Inteiro TeorTJ-DF__07033546220208070020_3238f.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

APELAÇÃO. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. RECURSO INOMINADO. PRINCÍPIO DA FUNGIBILIDADE RECURSAL. APLICABILIDADE. APELO CONHECIDO. PRELIMINAR DE ILEGITIMIDADE PASSIVA. REJEIÇÃO. ÔNUS DA PROVA. ART. 373, INCISO II, DO CPC. RESPONSABILIDADE DA COMPANHIA AÉREA. CONFIGURAÇÃO. RESPONSABILIDADE DA PRIMEIRA RÉ. NEXO DE CAUSALIDADE. INEXISTÊNCIA. IMPOSSIBILIDADE DE CONDENÇÃO. DEMAIS PEDIDOS PREJUDICADOS. SENTENÇA REFORMADA.

1. Pelo princípio da fungibilidade recursal, a parte recorrente não será prejudicada pela interposição de um recurso por outro, desde que não se trate de erro grosseiro ou má-fé e que seja respeitado o prazo do recurso adequado. Cabimento do recurso.
2. A relação entre as partes é de consumo, respondendo, solidariamente, todos os agentes que compõem a cadeia de fornecimento do produto/serviço pela falha na sua prestação, a teor do disposto no art. 14, do CDC.
3. O ônus da prova incumbe ao réu, quanto à existência de fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor, nos termos do art. 373, inciso II, do CPC.
4. A empresa de transporte aéreo internacional é civilmente responsável pelos danos ocasionados ao passageiro sofridos em razão de perda de voos motivada em vício na prestação do serviço.
5. Não se verifica o necessário liame entre a conduta da empresa que tão somente intermediou a venda das passagens aéreas e os danos experimentados pelo autor. Se a participação da referida empresa na cadeia de consumo se limitou à intermediação na compra e venda dos bilhetes aéreos, serviço que foi devidamente fornecido, não há como lhe impor condenação por dano sofrido pelo consumidor.
6. Desse modo, a sentença deve ser reformada, afastando-se a condenação da agência de viagens, restando prejudicados os demais pedidos formulados no recurso.

Acórdão

DAR PARCIAL PROVIMENTO AO RECURSO, UNÂNIME
Disponível em: https://tj-df.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1196381769/7033546220208070020-df-0703354-6220208070020

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: XXXXX-63.2019.8.07.0006 DF XXXXX-63.2019.8.07.0006

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: XXXXX-28.2019.8.07.0018 DF XXXXX-28.2019.8.07.0018

Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 10 anos

Supremo Tribunal Federal STF - REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO: RE XXXXX MT