jusbrasil.com.br
23 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: 0705893-31.2020.8.07.0010 DF 0705893-31.2020.8.07.0010

Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
3ª Turma Criminal
Publicação
Publicado no DJE : 17/08/2021 . Pág.: Sem Página Cadastrada.
Julgamento
5 de Agosto de 2021
Relator
SEBASTIÃO COELHO
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-DF__07058933120208070010_7e36d.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

PENAL. APELAÇÃO CRIMINAL. FURTO. PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. INAPLICABILIDADE. HABITUALIDADE DELITIVA. MULTIRREINCIDÊNCIA. DESCLASSIFICAÇÃO PARA A MODALIDADE TENTADA DE FURTO. NÃO CABIMENTO. INVERSÃO DA POSSE COMPROVADA. CONTINUIDADE DELITIVA. OCORRÊNCIA. CONDUTA SOCIAL. VALORAÇÃO NEGATIVA. POSSIBILIDADE. DOSIMETRIA DA PENA. PRIMEIRA FASE. CIRCUNSTÂNCIAS JUDICIAIS.

1/8 DO INTERVALO ENTRE AS PENAS MÁXIMA E MÍNIMA PREVISTAS EM ABSTRATO. 1. Comprovada a reincidência específica em delitos patrimoniais não é viável a aplicação do princípio da insignificância, pois afasta-se o requisito do reduzido grau de reprovabilidade da conduta.
2. A multirreincidência do réu indica a sua contumácia na prática de delitos patrimoniais, tornando a conduta mais reprovável e inviabilizando a aplicação do princípio da insignificância própria ou imprópria.
3. Segunda a teoria da amotio, adotada por este Tribunal, para a consumação do crime de furto não é necessária a posse mansa e pacífica do bem subtraído, nem que este saia da esfera de vigilância da vítima, bastando a simples inversão da posse, ainda que por curto período de tempo.
4. Deve ser reconhecida a continuidade delitiva quando o agente pratica dois ou mais crimes da mesma espécie, com semelhantes condições de tempo, lugar e modo de execução.
5. Consoante jurisprudência deste Tribunal, é possível a valoração negativa da conduta social do acusado, na primeira fase da dosimetria da pena, quando a prática do crime se deu durante o cumprimento de pena por delito anterior.
6. Na primeira fase de dosimetria da pena aplica-se o aumento de 1/8 para cada circunstância judicial considerada negativamente, a incidir sobre o intervalo verificado entre as penas máxima e mínima previstas em abstrato. Jurisprudência do STJ e desta Corte.
7. Não obstante a reincidência do paciente, é possível, verificadas as circunstâncias do caso concreto, a fixação do regime inicial aberto com base no princípio da proporcionalidade. HC 123.108/MG do STF.

Acórdão

CONHECIDO. PARCIALMENTE PROVIDO. UNÂNIME.
Disponível em: https://tj-df.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1273404605/7058933120208070010-df-0705893-3120208070010

Informações relacionadas

Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 6 anos

Supremo Tribunal Federal STF - HABEAS CORPUS: HC 123108 MG - MINAS GERAIS 9960288-50.2014.1.00.0000

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 2 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - HABEAS CORPUS: HC 531187 MG 2019/0263426-4

Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 6 anos

Supremo Tribunal Federal STF - HABEAS CORPUS: HC 123533 SP - SÃO PAULO 9996968-34.2014.1.00.0000