jusbrasil.com.br
28 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
Terceira Turma Recursal
Publicação
Publicado no DJE : 20/10/2021 . Pág.: Sem Página Cadastrada.
Julgamento
14 de Outubro de 2021
Relator
FERNANDO ANTONIO TAVERNARD LIMA
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-DF__07010031120218079000_d6252.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

Poder Judiciário da União

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS

TERRITÓRIOS

Órgão Terceira Turma Recursal DOS JUIZADOS ESPECIAIS DO DISTRITO

FEDERAL

Processo N. AGRAVO REGIMENTAL CÍVEL 0701003-11.2021.8.07.9000

AGRAVANTE (S) LINCOLN DINIZ BORGES

AGRAVADO (S) DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO DISTRITO FEDERAL - DETRAN

Relator Juiz FERNANDO ANTONIO TAVERNARD LIMA

Acórdão Nº 1377280

EMENTA

FAZENDA. tutela de urgência consistente no SUSPENSÃO DA APLICAÇÃO DA

PENALIDADE COMINADA EM PROCESSO ADMINISTRATIVO (SUSPENSÃO DO

DIREITO DE DIRIGIR – ART. 165 DO CÓDIGO DE TRÂNSITO). Agravo de instrumento

CONTRA a DECISÃO de indeferimento da medida no juízo originário. AGRAVO INTERNO

CONTRA A manutenção do mesmo entendimento jurídico EM GRAU REVISIONAL

(MONOCRÁTICO). no momento processual, NÃO SATISFATORIAMENTE EVIDENCIADOS OS REQUISITOS AO IMEDIATO DEFERIMENTO DA MEDIDA. RECURSOS

IMPROVIDOS.

I . Insurgência de LINCOLN DINIZ contra decisão do Juizado Especial da Fazenda (processo

0734023-76.2021) de indeferimento da tutela antecipatória consistente na “suspensão do processo

administrativo aberto número (processo 055.013413/2014) e, com isso, ordenar a imediata suspensão

da penalidade de suspensão do direito de dirigir por 12 meses da CNHdo autor inscrito no registro de

00085055325 DF” ( agravo de instrumento ), e contra a decisão de indeferimento da liminar em grau revisional ( agravo interno ).

II. O agravante sustenta, em síntese, que a probabilidade do direito residiria na patente nulidade do

Auto de Infração (não realizado o Auto de Constatação). Nas palavras por ele aviadas: (a) “conforme

descrito pelo agente de trânsito no auto de infração, o agravante DECLINOU TER INGERIDO

BEBIDA ALCOOLICA, equivocadamente, o juízo acima descrito entendeu que o verbo declinar

significa informar. O agravante NEGOU COM VEEMÊNCIA ter ingerido bebida alcoólica para o

agente de trânsito, o que foi descrito no auto de infração”; (b) “Ficou comprovado nos autos que o

agente de trânsito não realizou o auto de constatação”; (c) “deveria ter sido submetido à análise do seu

estado pelo agente de trânsito, conforme Resolução n. 432/CONTRAN”; (d) “o incidente de

uniformização que gerou o Acórdão 1213765, 20190020029770UNJ, tendo como Relator: ASIEL

HENRIQUE DE SOUSA, TURMA DE UNIFORMIZAÇÃO, data de julgamento: 12/9/2019,

publicado no DJE: 13/11/2019. Pág.: 539, foi claro em distinguir as condutas previstas no artigo 165 do CTB (ARTIGO ESTE PELO QUAL O AGRAVANTE RESPONDE) e o artigo 165 – A DO MESMO DIPLOMA LEGAL”. Afirma que o perigo de dano estaria presente, diante da abertura de processo

administrativo para suspensão do direito de dirigir. Pugna (liminar e mérito) pela concessão da medida de urgência.

III. O cerne da controvérsia residiria na legalidade (ou não) do Auto de Infração lavrado com

fundamento no art. 165 do Código de Trânsito, após recusa a realização do etilômetro, e sem a

lavratura de Auto de Constatação ou a constatação da embriaguez por outros meios.

IV. A conclusão jurídica da decisão originária (e da liminar em agravo de instrumento) merece ser

confirmada. Não se afigura razoável o deferimento da tutela antecipatória,sem elementos mais

contundentesà formação da convicção, dentro de um juízo sumário e superficial , notadamente se os autos de origem já se encontrariam devidamente instruídos e conclusos para julgamento .

V. De plano, razão assiste ao agravante ao alegar o aparente equívoco interpretativo na decisão ora

revista (teria compreendido a ação “declinou” ter ingerido bebida alcóolica – consignada no Auto de

Infração – como “afirmou” a ingestão de álcool). No entanto, tal circunstância, por si só, não subsidia, no atual estágio processual, um juízo, ainda que superficial, da probabilidade do direito invocado.

VI . A decisão de indeferimento da liminar em grau revisional destacou que, em processo que versa

sobre matéria aparentemente similar (autos 0711729-98), o DETRAN/DF protocolizouPedido de

Uniformização de Interpretação de Lei, o qual foi distribuído à Corte Superior, sob o fundamento de

que a decisão desta 3ª Turma Recursal (reconhecida a nulidade do Auto de Infração) contrariaria o

entendimento do Superior Tribunal de Justiça e outras Turmas recursais de outros estados, no sentido

de que a simples recusa do condutor a se submeter a qualquer dos procedimentos configura a infração de trânsito prevista no art. 277, § 3º, do Código de Trânsito Brasileiro (PUIL 1955 - DF

(2021/0040087-7). Além disso, os embargos declaratórios opostos naqueles autos contra a mencionada decisão (alegação de que a "matéria foi apreciada pela ilustre Relatora tendo como objeto o artigo

165-A do CTB, o qual foi reconhecida como infração autônoma e não necessita de sinais embriaguez. No entanto, o embargante fora autuado com fulcro no artigo 165 c/c 277 do CTB, legislação que

condicionava a lavratura do auto de infração ao colhimento pelo agente dos sinais de embriaguez,

conforme disciplinava à época a Resolução 432/2013 do CONTRAN") resultaram rejeitados, sob os

seguintes fundamentos: [...] No caso, na interpretação das normas definidoras das infrações de

trânsito, notadamente o art. 165 c/c art. 277, § 3º do Código de Trânsito Brasileiro, essa Corte

Superior firmou jurisprudência proclamando a legitimidade do entendimento que cominava para a

recusa do condutor a se submeter o teste do bafômetro a mesma sanção prevista para a condução sob a influência de álcool. Portanto, mesmo sendo anterior à edição do art. 165-A do Código Brasileiro

de Trânsito, a conduta objeto da autuação do DETRAN/DF enquadra-se na previsão do art. 277-§ 3º do Código de Trânsito Brasileiro, configurando infração gravíssima de trânsito, conforme

jurisprudência desta Corte [...]

VII . Em agravo interno contra a decisão de indeferimento do efeito suspensivo ativo ao presente

recurso, o agravante sustenta que o objeto de seu processo (anulação do auto de infração baseado

somente no artigo 165 CTB ) é diverso do objeto do incidente (legalidade da lavratura dos autos de

infração baseados no § 3º do artigo 277 do CTB ).

ACÓRDÃO ORIGINÁRIO DA TURMA RECURSAL NO SENTIDO DE RECONHECER A NULIDADE DE AUTO DE INFRAÇÃO. REAPRECIAÇÃO DA SITUAÇÃO FÁTICA À LUZ DA DECISÃO DA

CORTE SUPERIOR (PUIL 1955/DF). IMPOSITIVA A RETRATAÇÃO (LEI 12.153/2009, ARTIGO 19, § 6º). RECURSO PROVIDO. I. A questão (legalidade do Auto de Infração lavrado com base no art.

165 do Código de Trânsito, diante da recusa à realização do teste de etilômetro, e a ausência de

constatação da embriaguez por outros meios) teria sido analisada no julgamento realizado por esta 3ª Turma Recursal, na sessão de 25.05.2020. Na ocasião, foi publicada a seguinte ementa (acórdão

1251959) ao recurso do DETRAN/DF (improvido): FAZENDA PÚBLICA. ADMINISTRATIVO.

RECUSA EM REALIZAR O TESTE DE ETILÔMETRO. INFRAÇÃO DE TRÂNSITO (com fundamento, no Art. 165 do Código de Trânsito). AUSÊNCIA DE CONSTATAÇÃO DE EMBRIAGUEZ POR

OUTROS MEIOS. NULIDADE DO AUTO DE INFRAÇÃO. RECURSO IMPROVIDO. I.Rejeitadas as preliminares suscitadas em contrarrazões A.A denão conhecimento do recurso, pois a análise do

acervo probatório estaria adstrita ao julgamento do recurso pela instância revisora. Logo, não há de se falar em "rediscutir matéria probatória", até porque o auto de infração teria sido apresentado a

tempo e modo (contestação).B.A denão conhecimento do recurso (ofensa à dialeticidade),porquanto

o recurso, expressamente, impugna os fundamentos da sentença. C.A deilegitimidade do ente

federativopara interposição do recurso, pois o DETRAN/DF é representado judicialmente pela

Procuradoria Geral do Distrito Federal, circunstância demonstrada desde a apresentação da peça de defesa (contestação). II. Mérito: A.De início, importante destacar que, no dia3.10.2014, o requerente foi abordado e identificado pelo agente público, que o autuou com fulcro na infração prevista

noartigo 165do Código de Trânsito.Incontroverso o fato da recusa do requerente em se submeter ao

teste de etilômetro, devidamente registrado no respectivo Auto de Infração n. S002124794 (ID.

12944361). B.Para a verificação da infração (esferaadministrativa), na hipótese de recusa à

realização do teste do etilômetro,especificada no Art. 165 do Código de Trânsito,as normas de

trânsito autorizam a constatação de sinais de embriaguez pela autoridade de trânsito, os quais

deverão ser por ele descritos na ocorrência ou em termo específico, a fim de garantir veracidade e

legitimidade ao ato administrativo (Art. 277 da Lei n. 9.503/97 e arts. 3º, inciso IV, e 5º, inciso II, da

Resolução CONTRAN nº 432/2013). C.No presente caso, não há qualquer descrição no Auto de

Infração aespecificar o comportamento do condutora ser lançado pelo agente público, na medida em que, a mera recusa, por si só, não comprova que o requerente conduzia veículo sob influência de

álcool, uma vez que não detalhou especificadamente as reais condições do condutor, conforme

preceitua a legislação de regência.Precedentes: TJDFT, 1ª Turma Recursal, Acórdão n.1156341,

DJE: 05/04/2019; 3ª Turma Recursal, Acórdão n.1159595, DJE: 27/03/2019 eAcórdão n.1152929,

DJE: 28/02/2019. D. Existem inúmeros indicativos da embriaguez (23 sinais supletivos), definidos em ato administrativo próprio, que podem se somar à recusa do condutor para o fim de caracterizar a

infração de trânsito. Mas é fato que alguns deles precisam ser objetivamente reportados pela

autoridade de trânsito, sob pena de, somente pela recusa em si, comprometer a eficácia da medida

administrativa. E.Desse modo, escorreita a sentença de nulidade do Auto de Infração n. S002124794 e dos efeitos dela decorrentes, bem como determinou a restituição do valor pago pela respectiva

multa. III. Rejeitadas as preliminares suscitadas em contrarrazões. Recurso conhecido e improvido.

Sentença mantida por seus próprios fundamentos. Sem custas processuais. Condenado o recorrente ao pagamento dos honorários advocatícios fixados em 10% sobre o valor da causa (Lei n. 9099/95, Art. 55). II. Esse acórdão foi alvo de embargos declaratórios (rejeitados) e, ato contínuo, o DETRAN/DF

protocolizou "Pedido de Uniformização de Interpretação de Lei", distribuído à Corte Superior, sob o fundamento de que a decisão desta 3ª Turma Recursal contrariaria o entendimento do Superior

Tribunal de Justiça e de turmas recursais de outros estados, no sentido de que a simples recusa do

condutor a se submeter a qualquer dos procedimentos configura a infração de trânsito prevista no art. 277, § 3º, do Código de Trânsito (PUIL 1955 - DF - 2021/0040087-7). III. Em 1º.03.2021, o referido

pedido foi julgado procedente pela e. Ministra Relatora (art. 34, XVIII, c, do Regimento Interno do

STJ), nos seguintes termos: [...] Em relação ao Pedido de Uniformização de Interpretação de Lei, com razão a autarquia de trânsito estadual requerente, visto que o entendimento firmado nesta Corte é no sentido de que a recusa do condutor de veículo automotor na realização do teste do etilômetro, ainda que não conste do auto de infração evidenciada a ingestão de bebida alcóolica ou substância

psicoativa, cabível a aplicação das sanções do art. 165-A do Código de Trânsito Brasileiro (...) Posto isso, com fundamento no art. 34, XVIII, c, do Regimento Interno desta Corte Superior, julgo

procedente o Pedido de Uniformização de Interpretação de Lei, devendo ser reconhecida a legalidade do auto de infração aplicada ao Interessado, com base no art. 277, § 3º, do Código de Trânsito

Brasileiro [...] IV. E os embargos declaratórios opostos por RODRIGO CALDEIRA contra a

mencionada decisão (alegação de que a "matéria foi apreciada pela ilustre Relatora tendo como

objeto o artigo 165-A do CTB, o qual foi reconhecida como infração autônoma e não necessita de

sinais embriaguez. No entanto, o embargante fora autuado com fulcro no artigo 165 c/c 277 do CTB, legislação que condicionava a lavratura do auto de infração ao colhimento pelo agente dos sinais de

embriaguez, conforme disciplinava à época a Resolução 432/2013 do CONTRAN") resultaram

rejeitados, sob os seguintes fundamentos: [...] No caso, na interpretação das normas definidoras das

infrações de trânsito, notadamente o art. 165 c/c art. 277, § 3º do Código de Trânsito Brasileiro, essa

Corte Superior firmou jurisprudência proclamando a legitimidade do entendimento que cominava

para a recusa do condutor a se submeter o teste do bafômetro a mesma sanção prevista para a

condução sob a influência de álcool. Portanto, mesmo sendo anterior à edição do art. 165-A do

Código Brasileiro de Trânsito, a conduta objeto da autuação do DETRAN/DF enquadra-se na

previsão do art. 277 § 3º do Código de Trânsito Brasileiro, configurando infração gravíssima de

trânsito, conforme jurisprudência desta Corte [...] V. No caso concreto, as razões de decidir da

sentença (e do acórdão confirmatório) se pautaram exatamente na nulidade do ato administrativo em razão da insuficiência de provas à constatação da embriaguez (recusa à realização do etilômetro),

sendo que o Superior Tribunal de Justiça teria decidido no sentido de que, diante da recusa do

condutor de veículo automotor à realização do teste do etilômetro, cabível a aplicação das sanções do art. 165-A do Código de Trânsito, mesmo se tratando de conduta anterior à edição da referida norma. VI. Desponta, pois, o descompasso entre os fundamentos do acórdão 1251959 (ora revisto) e a diretiva estabelecida pela Corte Superior (PUIL 1955 - DF). Por consequência, é de se aplicar o juízo de

retratação à questão fática jurídica, ora reanalisada em 2021 (Lei 12.153/2009. Art. 19, § 6º), para se reconhecer a legalidade da autuação pela infração em trânsito e seus respectivos consectários. VII.

Recurso conhecido e provido. Sentença reformada. Julgados improcedentes os pedidos de declaração de nulidade do Auto de Infração objeto do procedimento administrativo01119424191 DF e de

condenação do Distrito Federal à restituição deR$ 1.915,38 (valor da respectiva multa). Sem custas,

nem honorários (Lei n. 9.099/95, artigo 55).

IX. Conquanto pendente o julgamento de agravo interno contra a decisão da Corte Superior no referido PUIL, e ainda que não se desconsiderem as anteriores decisões desta 3ª Turma Recursal acerca do

reconhecimento da necessidade do Auto de Constatação à aplicação das penalidades previstas no art.

165 do Código de Trânsito, não exsurgiria cristalina a diferenciação entre a situação

fático-jurídica dos presentes autos eletrônicos e aquela analisada pela Corte Superior , ao ponto

de fundamentar o imediato deferimento da medida de urgência, sem prejuízo de melhor análise

após o exaurimento da fase instrutória ( CPC, art. 300, caput).

X . Agravos interno e de instrumento conhecidos e improvidos. Confirmadas as decisões

monocráticas (originária e recursal) de indeferimento da medida de urgência. Sem custas

processuais nem honorários advocatícios.

ACÓRDÃO

Acordam os Senhores Juízes da Terceira Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, FERNANDO ANTONIO TAVERNARD

LIMA - Relator, CARLOS ALBERTO MARTINS FILHO - 1º Vogal e GILMAR TADEU SORIANO - 2º Vogal, sob a Presidência do Senhor Juiz CARLOS ALBERTO MARTINS FILHO, em proferir a

seguinte decisão: AGRAVO INTERNO CONHECIDO. IMPROVIDO. AGRAVO DE

INSTRUMENTO CONHECIDO. IMPROVIDO. UNÂNIME., de acordo com a ata do julgamento e

notas taquigráficas.

Brasília (DF), 14 de Outubro de 2021

Juiz FERNANDO ANTONIO TAVERNARD LIMA

Relator

RELATÓRIO

Dispensado o relatório (Lei n. 9099/95, Art. 46).

VOTOS

O Senhor Juiz FERNANDO ANTONIO TAVERNARD LIMA - Relator

A súmula de julgamento servirá de acórdão, conforme inteligência dos artigos e 46 da Lei 9.099/95.

O Senhor Juiz CARLOS ALBERTO MARTINS FILHO - 1º Vogal

Com o relator

O Senhor Juiz GILMAR TADEU SORIANO - 2º Vogal

Com o relator

DECISÃO

AGRAVO INTERNO CONHECIDO. IMPROVIDO. AGRAVO DE INSTRUMENTO CONHECIDO. IMPROVIDO. UNÂNIME.

Disponível em: https://tj-df.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1301391602/7010031120218079000-df-0701003-1120218079000/inteiro-teor-1301392469

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 3 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1811608 RS 2019/0121558-3

Tribunal Regional Federal da 4ª Região
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - APELAÇÃO CIVEL: AC 5003300-74.2017.4.04.7101 RS 5003300-74.2017.4.04.7101

Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal de Justiça de Pernambuco TJ-PE - Apelação Cível: AC 0061649-32.2011.8.17.0001 PE

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 7 meses

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Recurso Inominado Cível: RI 1001668-21.2021.8.26.0400 SP 1001668-21.2021.8.26.0400

Atualização Direito, Advogado
Modeloshá 5 anos

[Modelo] Recurso de multa por recusa ao teste do bafômetro