jusbrasil.com.br
24 de Janeiro de 2022
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF : 0701710-65.2021.8.07.0015 DF 0701710-65.2021.8.07.0015

Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
2ª Turma Cível
Publicação
Publicado no DJE : 24/11/2021 . Pág.: Sem Página Cadastrada.
Julgamento
20 de Outubro de 2021
Relator
SANDRA REVES
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-DF__07017106520218070015_a6887.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

APELAÇÃO. CIVIL E REGISTROS PÚBLICOS. DÚVIDA REGISTRÁRIA. HIPOTECA CONVENCIONAL. PEREMPÇÃO NÃO CONSTATADA. PRAZO LEGAL PREVISTO NO ART. 1.485DO CCNÃO TRANSCORRIDO. CANCELAMENTO DE HIPOTECA. ART. 251, INCISO I, DA LEI N. 6.015/73. AUTORIZAÇÃO EXPRESSA DO CREDOR HIPOTECÁRIO. NÃO CONSTATAÇÃO. RECURSO CONHECIDO E DESPROVIDO.

1. Trata-se de recurso de apelação interposto pelo suscitado contra sentença proferida pela Vara de Registros Públicos do DF que, nos autos de dúvida registrária suscitada pelo Oficial do 2º Ofício de Registro de Imóveis do DF, acolheu a cota ministerial e julgou procedente a dúvida suscitada. Destaque-se que, no curso do procedimento, a pedido do órgão do MPDFT em atuação na origem, o credor hipotecário foi intimado acerca da pretensão do suscitado de cancelamento da hipoteca registrada à margem da matrícula do imóvel em discussão nos autos, o qual se opôs a tal pretensão, por não ter integrado a relação jurídica processual por meio da qual foi declarada a usucupião em benefício do ora apelante.
2. Nos termos do art. 238da Lei n. 6.015/73, o registro de hipoteca convencional valerá pelo prazo de 30 (trinta) anos, findo o qual só será mantido o número anterior se reconstituída por novo título e novo registro. O art. 1.485do CCdispõe que, mediante simples averbação, requerida por ambas as partes, poderá prorrogar-se a hipoteca, até 30 (trinta) anos da data do contrato. Desde que perfaça esse prazo, só poderá subsistir o contrato de hipoteca reconstituindo-se por novo título e novo registro; e, nesse caso, lhe será mantida a precedência, que então lhe competir.
3. Na espécie, como precisamente assentado pelo Juízo de origem, se não transcorrido o prazo de 30 (trinta) anos previsto nos arts. 1.485 do CC e 238 da Lei de Registros Publicos, não há falar em perempção da hipoteca registrada na matrícula do imóvel objeto de discussão nos autos.
4. Para além disso, é cediço que o levantamento do gravame relativo à hipoteca convencional, nos moldes do art. 251 da Lei de Registros Publicos, não dispensa a manifestação da parte credora quanto ao eventual cumprimento da obrigação prevista no negócio jurídico, providência esta que sequer foi observada na espécie.
5. A par de tal quadro, se não transcorrido o prazo legal previsto nos arts. 1.485 do CC e 238 da Lei de Registros Publicos, não há falar em perempção da garantia hipotecária. Igualmente, não há falar em cancelamento da hipoteca constante da matrícula do imóvel objeto de discussão nos autos, nos moldes do art. 251, I, da LRP, se não observada anuência do credor hipotecário quanto ao levantamento do registro da referida garantia. Afigura-se escorreita, portanto, a r. sentença, ao julgar procedente a dúvida registrária suscitada.

Acórdão

CONHECIDO. DESPROVIDO. UNÂNIME.
Disponível em: https://tj-df.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1323979486/7017106520218070015-df-0701710-6520218070015

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça STJ - GRVO EM RECURSO ESPECIL : AREsp 1776192 DF 2020/0270767-9

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF : 0705631-77.2021.8.07.0000 DF 0705631-77.2021.8.07.0000

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF - Apelação Cível : APC 0003095-78.2014.8.07.0001 DF 0003095-78.2014.8.07.0001