jusbrasil.com.br
15 de Setembro de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF : 20171610023532 DF 0002172-87.2017.8.07.0020 - Inteiro Teor

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ-DF__20171610023532_66860.pdf
DOWNLOAD

Poder Judiciário da União Fls. _____

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS




Órgão 


5ª TURMA CÍVEL 

Classe 


APELAÇÃO CÍVEL 

N. Processo 


20171610023532APC
(0002172-87.2017.8.07.0020) 

Apelante(s) 


ELMO LOPES SOARES 

Apelado(s) 


ASSOCIACAO DE MORADORES DA
CHACARA 27B - COLONIA AGRÍCOLA
VICENTE PIRES 

Relator 


Desembargador SILVA LEMOS 

Acórdão N. 


1145410 

E M E N T A

CIVIL. PROCESSUAL CIVIL. CONDOMÍNIO. TAXA CONDOMINIAL EM ATRASO. COBRANÇA. CONDOMÍNIO. EXISTÊNCIA DE BENFEITORIAS CUSTEADAS PELOS MORADORES. VEDAÇÃO AO ENRIQUECIMENTO ILÍCITO. RECURSO DESPROVIDO.

1. A ação de cobrança não é meio hábil para analisar se os valores cobrados estão beneficiando ou não os condôminos, pois esse fato, por si só, não constitui motivo capaz de justificar a inadimplência do condômino.

2. A parte ré, ora apelante, não se desincumbiu de seu ônus probatório de demonstrar fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor (artigo 373 do Código de Processo Civil).

3. Recurso conhecido e não provido.

Fls. _____

Apelação Cível 20171610023532APC

A C Ó R D Ã O

Acordam os Senhores Desembargadores da 5ª TURMA CÍVEL do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, SILVA LEMOS - Relator, JOSAPHA FRANCISCO DOS SANTOS - 1º Vogal, ROBSON BARBOSA DE AZEVEDO - 2º Vogal, sob a presidência do Senhor Desembargador SEBASTIÃO COELHO, em proferir a seguinte decisão: CONHECER. NEGAR PROVIMENTO. UNÂNIME. , de acordo com a ata do julgamento e notas taquigráficas.

Brasilia (DF), 17 de Outubro de 2018.

Documento Assinado Eletronicamente

SILVA LEMOS

Relator

Fls. _____

Apelação Cível 20171610023532APC

R E L A T Ó R I O

O relatório é, em parte, o constante da r. sentença de fls. 126/133, cujo teor ora transcrevo, in verbis :

Trata-se de ação de conhecimento sob o rito comum ajuizada por ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DA CHÁCARA 27B em desfavor de ELMO LOPES SOARES.

Sustenta na inicial (fls. 2/6) que o requerido é proprietário da unidade 25A do Condomínio requerente. Alega que o requerido deixou de adimplir com as quotas ordinárias referentes aos meses de dezembro/2014, outubro/2016, dezembro/2015 e janeiro/2017, bem como com a "taxa de benfeitoria" e a "taxa complementar", totalizando débito de R$ 14.780,59 (quatorze mil setecentos e oitenta reais e cinquenta e nove centavos).

Apresenta argumentos de direito que entende embasarem seu pedido, sustentando que o requerido possui dever legal de contribuir com o custeio das despesas do condomínio. Requer: (i) condenação do requerido ao pagamento de R$ 14.780,59 (quatorze mil setecentos e oitenta reais e cinquenta e nove centavos) e demais encargos vincendos no curso do processo, acrescidos de multa de 2% e encargos legais; (ii) condenação do requerido nas verbas sucumbenciais. O requerente juntou procuração (fl. 7), substabelecimento (fl. 8) e documentos (fls. 9/32). O autor recolheu custas (fl. 33).

Em audiência de conciliação (fl. 44), não foi possível a composição entre as partes.

Citado (fls. 40), o requerido apresentou contestação com reconvenção (fls. 46/55). Na ocasião, refutou os argumentos fáticos e jurídicos da inicial, alegando que o condomínio está situado em área de posse irregular, não havendo qualquer atuação do autor que justifique a cobrança de tarifas condominiais. Sustentou que a cobrança de tarifas condominiais resulta em enriquecimento sem causa na hipótese vertente. Alegou a inexistência de débito e o dever do requerente em pagar em dobro o valor indevidamente cobrado. Argumentou pela existência de danos extrapatrimoniais indenizáveis. No final, pugnou pela improcedência do pedido autoral, pela condenação do requerente ao pagamento de R$ 14.213,50 (quatorze mil

Fls. _____

Apelação Cível 20171610023532APC

duzentos e treze reais e cinquenta centavos), pela declaração de inexigibilidade do débito cobrado, pela condenação do requerente ao pagamento de R$ 10.000,00 (dez mil reais) por danos morais e pela condenação do requerente nas verbas sucumbenciais. Requereu gratuidade de justiça. Juntou procuração (fl. 56), substabelecimento (fl. 57) e documentos (fls. 58/106).

O juízo deferiu a gratuidade de justiça ao réu (fl. 108).

A parte autora manifestou-se em réplica e contestação à reconvenção (fls. 110/115; 116/121), refutando os fatos e argumentos expostos na contestação e reiterando o pedido inicial. Na ocasião, impugnou preliminarmente a gratuidade de justiça concedida ao requerido.

Em decisão saneadora (fl. 123/v), foi rejeitada a preliminar alegada e saneado o feito, constatando-se também a desnecessidade de produção de novas provas, de forma que se determinou que as partes apresentassem eventuais esclarecimentos que entendessem necessários.

As partes não se manifestaram, de forma que os autos vieram conclusos para sentença (fl. 125).

Acrescento que o Juízo de primeira instância resolveu o mérito, nos seguintes termos:

Ante o exposto, julgo PROCEDENTE o pedido autoral para CONDENAR o requerido ao pagamento das prestações condominiais ordinárias vencidas nos meses de dezembro/2014, outubro/2016, dezembro/2016, janeiro/2017, a prestação referente às benfeitorias, vencida em dezembro/2014, e ao rateio de despesas complementares vencido em outubro/2016, bem como das prestações condominiais ordinárias vincendas e não pagas no curso da lide, acrescidos de multa moratória de 2%, totalizando R$ 14.780,59 (quatorze mil setecentos e oitenta reais e cinquenta e nove centavos) na ocasião do ajuizamento da demanda; as parcelas deverão ser atualizadas pelo INPC e acrescidas de juros de mora de 1% ao mês, a contar do vencimento de cada uma delas, descontada a atualização e juros já computados na planilha apresentada a fl. 9.

Ainda, julgo IMPROCEDENTES os pleitos reconvencionais. Soluciono o

Fls. _____

Apelação Cível 20171610023532APC

processo com resolução do mérito, nos termos do artigo 487, inciso I, do CPC.

Cálculos na forma do art. 509, § 2º, do CPC. Cumprimento de sentença na forma dos artigos 523 e seguintes, do CPC.

Condeno o requerido nas custas processuais e ao pagamento dos honorários sucumbenciais, à proporção de 10% do valor da condenação, nos termos do artigo 85, § 2º, do CPC.

Custas com exigibilidade suspensa quanto ao requerido, sendo que os honorários devidos pela parte requerida são inexigíveis enquanto não provada a cessação da sua hipossuficiência pelo requerente.

Após o trânsito em julgado e efetivo cumprimento, proceda-se baixa na distribuição e remetam-se os autos para o arquivo.

Publique-se, registre-se e intimem-se.

A parte requerida, ELMO LOPES SOARES, apresentou recurso de apelação, fls. 134/139. Em suas razões recursais sustenta que a tese da contestação não se baseou no fato de que o condomínio está situado em área de posse irregular, conforme entendeu o magistrado a quo na sentença recorrida, mas sim na impossibilidade da cobrança, eis que o autor não utiliza as supostas taxas cobradas para uso do condomínio. Acrescenta que, por mais que os moradores paguem as taxas, nenhuma mudança é implantada no condomínio. Sendo o estado do mesmo lastimável, não se sabendo qual o uso das taxas ordinárias e extraordinárias, pois, a seu ver, os moradores moram rente ao mato, sem água e sem esgoto, sem rua pavimentada, sem serviço de coleta de lixo.

Alega que a cobrança de tarifas condominiais resulta em enriquecimento sem causa na hipótese vertente. Aduz a inexistência de débito e o dever do requerente em pagar em dobro o valor indevidamente cobrado. Por fim, requer indenização por danos morais.

Por fim, pede a reforma da sentença, julgando totalmente procedente o recurso de apelação e, consequentemente, condenando a requerida aos pedidos reconvencionais.

Sem preparo em razão de gratuidade de justiça.

É o relatório.

Fls. _____

Apelação Cível 20171610023532APC

V O T O S

O Senhor Desembargador SILVA LEMOS - Relator

Presentes os pressupostos de admissibilidade e processamento, conheço do recurso de apelação, recebendo-o no duplo efeito , nos termos do art. 1.012, caput, e art. 1.013, caput, ambos do Código de Processo Civil de 2015.

Compulsando os autos, observa-se, que o condomínio ingressou com ação de cobrança afirmando que o réu é detentor de direitos sobre imóvel em área irregular, razão pela qual deve pagar pelas taxas condominiais em atraso.

O apelante sustenta que tese da contestação não se baseou no fato de que o condomínio está situado em área de posse irregular, conforme entendeu o magistrado a quo na sentença recorrida, mas sim na impossibilidade da cobrança, eis que o autor não utiliza as supostas taxas cobradas para uso do condomínio. Acrescenta que, por mais que os moradores paguem as taxas, nenhuma mudança é implantada no condomínio. Sendo o estado do mesmo lastimável, não se sabendo qual o uso das taxas ordinárias e extraordinárias, pois, a seu ver, os moradores moram rente ao mato, sem água e sem esgoto, sem rua pavimentada, sem serviço de coleta de lixo.

Analisando detidamente os autos, razão não assiste ao ora apelante. A respeito da cobrança de taxas condominiais ordinárias e extraordinárias, é cediço que o condomínio possui legitimidade ativa ad causam para efetuar cobrança dos valores em atraso, pois todos os condôminos usufruem dos benefícios proporcionados pelas taxas, e também, por ato de vontade, estabeleceram em assembleia geral condições a serem cumpridas indistintamente.

As taxas condominiais resultam das despesas de conservação do condomínio, derivada do direito real de propriedade, as quais aproveitam a todos e, por isso, devem ser repartidas entre os condôminos, conforme se depreende do disposto no artigo 1.336 do Código Civil, o qual prevê os deveres dos condôminos.

Desse modo, as despesas existentes merecem rateio igual, sob pena de enriquecimento ilícito. Ora, o dever de honrar com as despesas advém da própria coisa.

Com isso, tenho como acertada a decisão do juiz a quo de julgar procedente o feito, cujos fundamentos também me reporto as razões de decidir, confira-se:

Fls. _____

Apelação Cível 20171610023532APC

"O ponto controvertido diz respeito: (i) à exigibilidade das prestações condominiais cobradas pelo autor; (ii) à necessidade de comprovação de realização de benfeitorias pelo requerente para cobrança de parcelas condominiais.

Após análise dos argumentos e fatos expostos pelas partes, bem como das provas produzidas, verifico assistir razão ao autor.

Inicialmente, deve ser analisada a comprovação do débito e eventual pagamento pelo requerido.

Ante a ausência de impugnação quanto à ausência de pagamento, há de se considerar que são verdadeiros os fatos descritos na inicial, nos termos dos artigos 336 e 341 do CPC. Ressalte-se que a parte autora se desincumbiu do ônus probatório quanto às prestações atrasadas, apresentando planilha dos valores devidos (fl. 9), nos quais constam os valores devidos a título de despesas condominiais, bem como a discriminação da multa, juros e correção monetária, possibilitando pleno exercício do direito de defesa pelo requerido.

Ademais, consta dos autos ata da assembléia que instituiu o valor da contribuição (fls. 10/17), sem impugnação da parte ré.

O requerido é possuidor do imóvel, como se observa de sua própria confissão implícita na contestação. Assim, considerando a natureza propter rem das despesas condominiais, deve responder pelo rateio dos custos da coletividade condominial, nos termos da legislação correlata.

Considerando a ausência de prova de pagamento direto ou indireto, como exigido pela interpretação do artigo 373, II, do CPC, para configurar fato extintivo, modificativo ou impeditivo do direito autoral, há de se reconhecer o inadimplemento do réu pelas parcelas descritas na inicial.

A defesa do requerido se baseia na condição de condomínio irr...