jusbrasil.com.br
15 de Setembro de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF : 00398081820158070001 DF 0039808-18.2015.8.07.0001 - Inteiro Teor

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ-DF__00398081820158070001_44537.pdf
DOWNLOAD

Poder Judiciário da União

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS

TERRITÓRIOS

Órgão 7ª Turma Cível

Processo N. APELAÇÃO CÍVEL 0039808-18.2015.8.07.0001

APELANTE (S) PARTIDO HUMANISTA DA SOLIDARIEDADE DO DISTRITO FEDERAL

PHSD

APELADO (S) ETITEC COMERCIO DE ETIQUETAS E ASSISTÊNCIA TECNICA LTDA -EPP

Relator Desembargador FÁBIO EDUARDO MARQUES

Acórdão Nº 1194076

EMENTA

APELAÇÃO CÍVEL. EMBARGOS À EXECUÇÃO. DUPLICATA. AUSÊNCIA DE ACEITE.

PROTESTO. NOTA FISCAL COM ASSINATURA DE RECEBIMENTO DAS MERCADORIAS.

REGULARIDADE DO TÍTULO DE CRÉDITO. SIMULAÇÃO. NÃO COMPROVADA.

IMPROCEDÊNCIA DO PEDIDO.

1. Não há falar em desrespeito ao princípio da dialeticidade, se indicadas as razões de inconformismo, contendo impugnação específica e pedido de reforma da decisão.

2. Duplicata sem aceite, protestada e acompanhada do comprovante de recebimento das mercadorias consubstancia título executivo extrajudicial (art. 784, inc. I, do CPC e art. 15 da Lei 5.474/68). Uma

vez evidenciado o título executivo, a procedência dos embargos do devedor está adstrita à

demonstração do fato constitutivo do direito invocado pelo embargante (art. 373, inc. I, do CPC). No caso, o devedor sustentou a ocorrência de simulação capaz de nulificar o título de crédito, contudo não comprovou a tese levantada, impondo, portanto, a improcedência do pedido.

3. Apelação conhecida e não provida.

ACÓRDÃO

Federal e dos Territórios, FÁBIO EDUARDO MARQUES - Relator, ROMEU GONZAGA NEIVA -1º Vogal e LEILA ARLANCH - 2º Vogal, sob a Presidência da Senhora Desembargadora LEILA

ARLANCH, em proferir a seguinte decisão: CONHECIDO. PRELIMINAR REJEITADA.

IMPROVIDO. UNÂNIME., de acordo com a ata do julgamento e notas taquigráficas.

Brasília (DF), 14 de Agosto de 2019

Desembargador FÁBIO EDUARDO MARQUES

Relator

RELATÓRIO

Cuida-se de apelação da r. sentença que julgou improcedentes os embargos do devedor - Partido

Humanista da Solidariedade do DF – PHS - face à execução proposta por Etitec Comércio de

Etiquetas e Assistência Técnica Ltda .

Adoto, em parte, relatório da r. sentença[1]:

O embargante afirma que a parte embargada propôs ação de execução em seu desfavor (Autos nº

2015.01.1.044206-5), objetivando o recebimento de quantia fundada em duplicata.

Sustenta que a execução é nula, pois não teria celebrado contrato de compra e venda entre as partes.

Afirma que a nota fiscal e os demais documentos que embasam o processo executivo são objeto de

fraude. Destaca que a data do recebimento da nota fiscal revelaria a fraude, pois teria sido data após o encerramento das eleições, sendo que o material descrito pela embargada em sua nota fiscal refere-se a material de campanha. Sustenta, ainda, a abusividade nos valores cobrados pela embargada/exequente. O referido gasto não consta na prestação de contas entregue a Justiça Eleitoral, pois inexistiu o referido negócio jurídico.

Aduz que o antigo ex-presidente do partido teria simulado negócios jurídicos com diversas empresas, sendo uma delas a parte embargada, para fins de praticar o golpe contra a embargante. Descreve a

emissão de cártula de cheque pelo referido ex-presidente de forma fraudulenta no dia que tomou

ciência de sua destituição.

Conclui que os serviços jamais foram prestados e o contrato decorreu de ato simulado, o que inquinaria de nulidade o título executivo.

Requer: a) concessão do efeito suspensivo aos embargos; b) declaração de nulidade do título que

embasa o processo de execução, com a consequente extinção do feito; c) condenação da embargada à litigância de má-fé; d) a expedição de ofício ao Ministério Público para que apure a conduta da

embargada.

Acrescento que o juízo a quo julgou improcedentes os embargos, sob o fundamento de que o conjunto probatório comprovou o fornecimento das mercadorias descritas na nota fiscal que deu origem à

duplicata.

Embargos de declaração rejeitados[2].

simulado do ex-presidente regional do partido, Lucas Kontoyanis, o qual contraiu dívidas no final de

seu mandato que estão sendo cobradas judicialmente do apelante. Afirma que a apelada está em

conluio com o ex-presidente do partido, conforme demonstra o documento contábil interno do

apelante, que fora apresentado nos autos pela apelada. Anota que o negócio jurídico simulado é nulo,

de acordo com o art. 167 do Código Civil.

Sustenta que a apelada não forneceu os produtos relacionados na nota fiscal, tanto que a assinatura no

canhoto do documento é de pessoa não identificada, conforme constatado pela testemunha Sandro.

Alega que as testemunhas confirmam que os serviços não foram prestados na forma cobrada.

Requer o provimento ao recurso para reformar a sentença, a fim de declarar a nulidade do título

executivo.

Contrarrazões[4] suscitando desrespeito ao princípio da dialeticidade, o que o apelante refuta[5].

É o relatório.

[1] Id. 6120383

[2] Id. 6120397

[3] Id. 6120400

[4] Id. 6120415

[5] Id. 6512898

VOTOS

O Senhor Desembargador FÁBIO EDUARDO MARQUES - Relator

De início, rejeito a preliminar de ausência de impugnação específica, suscitada em contrarrazões.

Não há falar em desrespeito ao princípio da dialeticidade, porque o apelante indicou as razões de seu

inconformismo, trazendo impugnação específica e pedido de reforma da decisão apelada.

Enfim, de acordo com a jurisprudência do STJ, a simples reiteração de peças processuais não impede o conhecimento da apelação, senão vejamos o precedente:

[...] 1. Esta Corte possui entendimento assente de que, não obstante a legislação processual exija que a

apelação contenha os fundamentos de fato e de direito, a parte não fica impedida de reiterar os

fundamentos expendidos na inicial ou em outras peças processuais se estas forem suficientes para

demonstrar os motivos da irresignação do insurgente, bem como do possível desacerto da decisão que se

pretende desconstituir/modificar (AgRg no AgRg no REsp. 1.309.851/PR, Rel. Min. MARCO BUZZI,

DJe 19.9.2013). [...] 4. Agravo Regimental dos Servidores desprovido. (AgRg no AREsp 272.809/SP,

Rel. Ministro Napoleão Nunes Maia Filho, Primeira Turma, julgado em 22/09/2016, DJe 10/10/2016)

Assim, presentes os pressupostos de admissibilidade, conheço da apelação do embargante.

A duplicata é título de crédito causal, porquanto decorre de contrato de compra e venda mercantil ou de

prestação de serviços, o que se comprova por uma fatura, documento obrigatório e do qual o vendedor

extrai o título, conforme dispõem os arts. 1º e 2º da Lei 5.474/68.

Duplicata sem aceite, mas devidamente protestada e acompanhada do comprovante de recebimento das

mercadorias, consubstancia título executivo extrajudicial (art. 784, inc. I, do CPC e art. 15 da Lei

5.474/68). Uma vez evidenciada a existência de título executivo, a procedência dos embargos do devedor está adstrita à demonstração do fato constitutivo do direito invocado pelo embargante (art. 373, inc. I, do CPC).

No caso, a execução foi instruída com duplicata sem aceite[1], protesto[2]e nota fiscal com assinatura de recebimento dos produtos[3]. Nos embargos, o executado-apelante sustenta, em síntese, a ocorrência de

simulação capaz de nulificar o título de crédito.

Diante desse quadro, impõe-se analisar as particularidades da nulidade apontada pelo apelante.

De acordo com o art. 167 do Código Civil, é nulo o negócio jurídico simulado , embora subsista o que se dissimulou, se válido for na substância e na forma.

Também a jurisprudência orienta no sentido da nulidade do negócio jurídico simulado, senão vejamos o

aresto:

PROCESSUAL CIVIL. ANULATÓRIA. AT...