jusbrasil.com.br
25 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: 0705880-93.2019.8.07.0001 DF 0705880-93.2019.8.07.0001

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

2ª Turma Cível

Publicação

Publicado no PJe : 21/11/2019 . Pág.: Sem Página Cadastrada.

Julgamento

22 de Novembro de 2019

Relator

CARMELITA BRASIL

Documentos anexos

Inteiro TeorTJ-DF__07058809320198070001_03ffd.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE NEGÓCIO JURÍDICO. LEGITIMIDADE PASSIVA. MESMO GRUPO ECONÔMICO. TEORIA DA APARÊNCIA CONTRATOS BANCÁRIOS. FRAUDE. RESPONSABILIDADE OBJETIVA. DANO MORAL IN RE IPSA.

Por força da Teoria da Aparência, não há que se falar em ilegitimidade passiva ad causam de Banco pertencente ao mesmo grupo econômico da financeira perante a qual se verificou a ocorrência de negociação fraudulenta em nome do consumidor, se ambas as instituições prestam serviço de forma coligada, sendo indivisível às suas atividades, notadamente se o Banco, expressamente, por meio de comunicações encaminhadas ao consumidor, assume a responsabilidade pela solução da situação que o envolvia. As instituições financeiras respondem objetivamente pelos danos gerados por fortuito interno relativo a fraudes e delitos praticados por terceiros no âmbito de operações bancárias? (Súmula 497, STJ). O dano moral decorrente de contratação fraudulenta perante instituição financeira se configura in re ipsa, dispensando-se a prova da sua ocorrência, pois este já decorre do próprio fato.

Acórdão

DAR PROVIMENTO AO RECURSO DO AUTOR E NEGAR PROVIMENTO AO RECURSO DA SEGUNDA RÉ. UNANIME
Disponível em: https://tj-df.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/783954934/7058809320198070001-df-0705880-9320198070001

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: 0700062-02.2020.8.07.0010 DF 0700062-02.2020.8.07.0010

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 3 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO INTERNO NO RECURSO ESPECIAL: AgInt no REsp 1698175 ES 2017/0234287-6

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 5 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1637611 RJ 2016/0261016-5

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 3 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1698175 ES 2017/0234287-6

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível: AC 10000190931303001 MG