jusbrasil.com.br
23 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: 0012155-33.2009.8.07.0007 DF 0012155-33.2009.8.07.0007

Detalhes da Jurisprudência
Processo
0012155-33.2009.8.07.0007 DF 0012155-33.2009.8.07.0007
Órgão Julgador
1ª Turma Cível
Publicação
Publicado no DJE : 23/10/2012 . Pág.: 65
Julgamento
10 de Outubro de 2012
Relator
LECIR MANOEL DA LUZ
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-DF__20090710031257_6f57d.doc
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

CIVIL - DIREITO DO CONSUMIDOR - PRELIMINAR DE ILEGITIMIDADE PASSIVA DA FINANCEIRA AFASTADA - VEÍCULO USADO - VÍCIO REDIBITÓRIO - PRAZO DECADENCIAL DE 90 DIAS - INTERRUPÇÃO DO PRAZO - NÃO OCORRÊNCIA - RECURSO DESPROVIDO.

I - Não prospera a preliminar de ilegitimidade passiva da financeira, tendo em vista que o vício do produto autoriza a rescisão do contrato de compra e venda do veículo financiado, nos termos do art. 18 do Código de Defesa do Consumidor.
II - A reclamação, apta a obstar a decadência, é aquela comprovadamente formulada pelo consumidor perante o fornecedor do produto ou serviço, conforme se vê do artigo 26, § 2.º, inciso I, do CDC.
III - Preconiza o § 3.º do artigo 26 da Lei n.º 8.078/90 que o prazo decadencial, em se tratando de vício oculto, inicia-se no momento em que ficar evidenciado o defeito.
IV - Qualificando o automóvel como produto durável, o direito de reclamar pelos vícios ocultos, que eventualmente o afetavam e não haviam sido detectados por ocasião da consumação do contrato, caducou em noventa (90) dias, contados da data em que foram apurados os referidos defeitos.

Acórdão

CONHECER E NEGAR PROVIMENTO, UNÂNIME
Disponível em: https://tj-df.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/906232996/20090710031257-df-0012155-3320098070007

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul TJ-MS - Agravo de Instrumento: AI 1410112-38.2020.8.12.0000 MS 1410112-38.2020.8.12.0000

Tribunal de Justiça de Santa Catarina
Jurisprudênciahá 12 anos

Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJ-SC - Apelação Cível: AC 20100032424 Concórdia 2010.003242-4

Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 11 meses

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - Apelação: APL 0002370-59.2019.8.16.0035 São José dos Pinhais 0002370-59.2019.8.16.0035 (Acórdão)